Abril / maio / junho de 2010
  • MUDANÇA DE ATITUDE
  • Projeto garante educação e cidadania a jovens de baixa renda em São Paulo
  • Para 2010, o plano é expandir para outros estados
  • Maria Claudia Miguel
Mônica Pereira entrou de cabeça no segmento de plásticos
depois de participação em projeto
Foto: Fernando Petermann


Não importa se é um simples copinho de café ou qualquer outro material mais sofisticado. Nas mãos de Mônica Brandina Pereira, basta ser plástico para virar objeto de estudo. Aos 23 anos, casada, mãe de um menino de sete, a jovem moradora no bairro Capão Redondo, em São Paulo, até pensou em se profissionalizar na área de estética, mas hoje, novas palavras do universo dos plásticos foram incorporadas ao seu vocabulário. Fala com propriedade sobre polímeros, materiais recicláveis, enfim, mergulhou de cabeça em um segmento até então totalmente desconhecido. Essa mudança de hábito, costumes e pensamento foi resultado de sua experiência no ProfissioNOW! – projeto que proporciona instrução profissionalizante especializada e inclusão imediata no mercado de trabalho a estudantes provenientes de famílias de baixa renda.

O projeto envolve cinco importantes empresas do segmento de plásticos – Clopay do Brasil, Embalo Embalagens Logísticas, Kanaflex Indústria de Plásticos, Lord Embalagens Plásticas e Neoplastic Embalagens Plásticas – e voluntários da Dow Brasil. Com apoio do Senai de Jundiaí, no interior de São Paulo, uma equipe multidisciplinar de voluntários da Dow Brasil desenvolveu um curso especializado na atuação em processos de moldagem, extrusão e sopro de resinas plásticas. O programa inclui, ainda, palestras sobre desenvolvimento de carreira, gerenciamento financeiro, técnicas de apresentação, aulas de introdução à língua inglesa, informática e outros programas educativos disponíveis aos funcionários da Dow Brasil. A formação é complementada por visitas a estações de reciclagem de lixo – Armazém da Natureza, em Jundiaí, e Ecoway Sistemas de Reciclagem, em Itupeva – e ao Complexo Industrial da Dow em Guarujá, onde os estudantes conhecem a planta de poliestireno e os projetos de educação ambiental Mangue Limpo (parceria entre Dow e Universidade Santa Cecília, de Santos) e Embaixadores do Meio Ambiente (parceria com a ONG Ocean Futures Society, de Jean-Michel Cousteau).

O projeto foi elaborado levando em conta a necessidade de mão-de-obra técnica especializada em operações de plásticos, conforme identificado pelo time comercial da Dow Brasil junto a seus clientes do setor. Após quase um ano de pesquisas e trabalho em equipe, o ProfissioNOW! inaugurou, em agosto de 2008, a sua primeira turma, composta por nove estudantes, entre eles, Mônica Brandina. “Entrei em uma área desconhecida, mágica, cheia de curiosidades. Pudemos conhecer a origem da embalagem, o tipo de plástico, enfim, faço parte de um mercado promissor, e tenho uma carteira de trabalho assinada”, destaca Mônica, atualmente auxiliar técnico na Kanaflex.

O projeto, realizado durante cinco meses, tem duração de 120 horas. As aulas teóricas são em período integral, durante três dias da semana. Os outros dois são complementados pela parte prática nas empresas patrocinadoras, visando à integração e conhecimento específico. “Somos pagos para estudar. Uma oportunidade única”, diz, convicta. Após a formação dos estudantes, certificada pelo Senai e complementada por um ciclo de 16 horas de palestras multidisciplinares ministradas por profissionais da Dow Brasil, os jovens são empregados em unidades fabris da Clopay, Embalo, Kanaflex, Lord e Neoplastic, podendo colocar em prática tudo que aprenderam no curso.

Como participar

A seleção dos jovens é feita pela equipe do projeto, junto aos clientes. Segundo Antonio Casartelli, coordenador do ProfissioNOW! e gerente de cadeia de suprimentos para plásticos básicos da Dow para a América Latina, o departamento de recursos humanos dos clientes oferece as vagas às comunidades e gerencia o processo internamente. Os requisitos são idade acima de 17 anos, segundo grau completo, baixa renda familiar e viver na mesma comunidade da empresa. “Cada empresa segue sua política de divulgação do processo de seleção, mas, em geral, os próprios funcionários indicam candidatos da comunidade local”, adianta Casartelli.

Ano de conquista

Em 2009, o programa ganhou mais uma empresa parceira – a Neoplastic – e hoje dez novos alunos são preparados para o mercado. Conquistou, ainda, os dois principais prêmios internos de inovação da Dow América Latina. Concorrendo com projetos de toda a região (como o Eco Sandall – sandália ecológica desenvolvida e vendida no México em parceria com Walmart), o ProfissioNOW! recebeu o Innovation Award (julgamento feito pela comissão de líderes da Dow na América Latina) e o People Choice, uma votação aberta entre os funcionários para eleger o melhor projeto. O custo total do investimento em 2009 foi de aproximadamente US$ 8 mil, sendo 50% patrocinado pela Dow e 50% pelos clientes parceiros. Para 2010, o plano é expandir o projeto para outros polos industriais de plásticos pelo Brasil, além do estado de São Paulo. Casartelli aponta outra boa-nova: por sua estrutura compatível para ministrar cursos de operações em plásticos, o Senai de São Bernardo poderá ser uma boa alternativa para novos clientes da Grande São Paulo que aderirem ao projeto.

Quem somos | Vendas e assinaturas | Publicidade | Fale conosco

Revista Conhecimento & Inovação
ISSN 1984-4395

Realização: